A Caça (Thomas Vintenberg, 2012)

Pedofilia é um assunto muito difícil de tratar no cinema, mas ainda assim filmes de diversas nacionalidades já se arriscaram a fazer. Alguns exemplos são O Lenhador, protagonizado por Kevin Bacon e a produção francesa que foi exibida nos cinemas brasileiros em 2012, Polissia.

A Caça, do dinamarquês Thomas Vintemberg (Festa de Família) mostra o professor Lucas (Mads Mikkelsen, de Depois do Casamento) sendo vítima das consequências do amor platônico de uma pequena aluna, também filha de seu melhor amigo.

Ao perceber que todo o seu sentimento pelo professor e seu exemplo de conduta e educação não era correspondido, a pequena Klara deixa toda a sua raiva transborda,r sem saber lidar com isso e acaba falando o que não devia e o que não aconteceu.

Claro que a palavra da garota é mais forte, e Lucas passa de camarada e bom moço a doente, pervertido e rejeitado por (quase) todos a sua volta. Ele perde o emprego, perde a namorada, perde a comodidade de fazer compras e, aos poucos, se adapta ao que resta de sua vida.

O filme consegue passar toda a angústia do personagem por deixar claro, desde o começo, que Lucas é inocente. O espectador compartilha da dor do professor e fica injuriado com as atrocidades que passam a acontecer com ele.

E uma questão pode ser levantada aqui: até onde devemos levar a sério o que uma criança afirma e como perceber a possível influência de um adulto malicioso? É difícil saber até onde as suas palavras são verdadeiras e o que pode ser orgulho ferido. A premissa de que crianças não mentem pode nos levar a atos inesperados e desesperados.

Infâmia, clássico do diretor William Wylar estrelado por Audrey Hepburn e Shirley MacLaine, mostra uma garota mimada e birrenta afirmando que as professoras da escola têm um caso. O que hoje já não seria fácil de aceitar, na década de 1960 era uma ofensa e a certeza de que a carreira das duas professoras naufragaria. O filme é a releitura de um trabalho do mesmo diretor feito na década de 1930, no qual ele precisou ser mais cauteloso e não pôde expor tudo como gostaria.

Desejo e reparação, de Joe Wright, é a adaptação do romance de Ian McEwan em que uma adolescente acusa injustamente, por ciúmes e por inveja, o namorado da irmã mais velha de estupro. As consequências são desastrosas e mesmo a grande vontade da irmã invejosa de minimizar os danos que causou pode não ser o suficiente para afastar a infelicidade do casal.

Por outro lado, é difícil acreditar que seu filho possa ter conhecimento de palavras sujas e que deveriam ser impronunciáveis pela boca de uma criança. Diante desta situação, não é de se espantar que um adulto com más intenções esteja acelerando o crescimento psicológico de alguém que parece ser tão inocente.

Thomas Vintemberg dirige A Caça usando como pano de fundo uma bela paisagem cinzenta e melancólica, além do clima de cidade pequena e pacata, onde todos se conhecem e sabem o que acontece com os outros moradores. Isso colabora ainda mais com o rápido conhecimento de todos sobre o que supostamente aconteceu na escola.

Mads Mikkelsen se entrega totalmente ao personagem Lucas e por este foi premiado com o prêmio de Melhor Ator no Festival de Cannes, em 2012.

A Caça mostra mais uma vez que quando se trata de cinema dinamarquês não precisamos ficar presos somente ao nome de Lars Von Trier (Ninfomaníaca). O próprio pode ser o mais conhecido diretor daquela região, mas fez parte do mesmo movimento que outros diretores significativos, como Vintemberg e Susanne Bier (Em um Mundo Melhor), que apesar de estar em uma fase americanizada (é a diretora da adaptação de A Caixa de Pássaros), tem talento reconhecido em grande parte do mundo.

Siga @Nerdssauros