A corrida dos Battleroyales

Battleroyale é um gênero de jogos eletrônicos que mescla elementos de exploração, sobrevivência, procura de recursos e equipamentos. Tudo isso atrelado a mecânica de último sobrevivente, a proposta é desafiar o maior número de jogadores, começando com equipamentos básicos, e indo em busca de equipamentos melhores, e confrontando alguns jogadores pelo mapa, enquanto evitam ficar presos fora de uma área segura que encolhe com o tempo, com o vencedor sendo o último competidor a sobreviver no jogo.

O termo Battleroyale, vem do romance japonês Battle Royale do pelo jornalista e escritor japonês Koushun Takami , onde a história conta sobre alunos do ensino médio que são forçados a lutar um contra o outro até a morte em um programa administrado por um governo totalitário japonês, agora conhecido como a República da Grande Ásia Oriental. Romance esse publicado em 1999, e que ganhou uma adaptação em longa metragens nos anos Battle Royale em 2000 e Battle Royale: Requiem em 2003 e o mangá de 2000 a 2005.

Capa do livro BattelRoyale.

O termo também foi muito popularizado pela série de livros da Suzanne Collins, The Hunger Games (Jogos Vorazes em português) .

Atualmente existem diversos jogos com esta temática, que vão dos mais populares como o PUBG (Playerunknown’s Battlegrounds), Fortinite e Apex: Legends, H1Z1 DayZ a dupla histórica de gênero de FPS (First Person Shooter) coloca seus pés neste gênero Call of Duty e Battlefield, não necessariamente precisa ser com armas de fogo, ou um shooter, como o ainda em desenvolvimento Spellbreak que consiste em um battleroyale de magos, com gráficos que lembram Zelda Breath of the Wild, com alguns polimentos dentro da Engine, até o mais absurdo e recente lançado Tetris 99. Que consiste em uma partida de tetris entre 99 jogadores para ver quem será o último a morrer.

Trailer do Tetris 99.

O problema em si deste gênero está na quantidade massiva de jogadores, que é necessária para que ele aconteça, diferente de um MMO (Massive Multiplayer Online), o inimigo que você sempre vai matar, é um outro player, não que não tenham modos PVPs (Player Vs. Players) dentro dos MMOs, mas jogo não depende exclusivamente disso, o que é bem diferente da estrutura do battleroyale, o problema é quando um destes títulos ficar enjoativo, ou tropeçar em uma atualização que não agrade alguns fãs, a instabilidade pode começar a aparecer.

Season 7 de Fortnite.

Vinculado a um comportamento agressivo da indústria dos games, títulos como Fortnite, PUBG, Apex copiam uns aos outros em um ritmo frenético para acelerar o lançamento de conteúdo, assim deixando muitas vezes de inovar e acabam lançando atualizações feitas a pressa, basicamente a disputa que o mercado vivia a uns 3 ou 4 anos atrás com o gênero MOBA (Multiplayer Online Battle Arena) e sua disputa entre League of Legends, DOTA e Heroes of Storm, ou com a briga de FPS com modos diferentes como Teamfortress, Overwatch e Paladins. A diferença é que a média de players em uma partida é de 10 a 12 players, então estes gêneros não sofrem tanto quanto o Battleroyale, que seu divertimento está intrínseco a quantidade de pessoas jogando, caso diminua a quantidade de jogadores, o mapa não se adéqua e acaba se tornando desproporcional em tamanho.

Mas como sustentar por tanto tempo este estilo de jogo? É necessário manter um contato com a comunidade, buscar inovar em atualizações novas e não apenas copiar mas também aprimorar trazer melhoria a função, balancear equipamentos para favorecer diversos estilos de jogo, e seguir os passos de empresas como a Rockstar que priorizam qualidade no seu produto, e que conseguiu manter e ainda mantem GTA V e Red Dead Rendemption 2, que lançam atualizações que inserem novas mecânicas e itens dentro do jogo.

Siga @Nerdssauros