Resenha: O Espelho do Tempo (Catherine Fisher)

Emocionante, cheio de ação, humor, drama e criatividade. Foi tudo isso que eu tive ao ler “O Espelho do Tempo”, da autora Catherine Fisher, uma das melhores autoras infanto-juvenis dos EUA e que já escreveu também o bem-sucedido Incarceron.

A história começa com o protagonista Jake, um jovem inteligente, mas ao mesmo tempo frustado e de pavio curto, se metendo em uma tremenda confusão que culmina com sua expulsão da escola. Nisso ele irá passar a morar com Oberon Venn que cumpre o papel de padrinho de Jake.

No entanto, Jake tem certeza de que o misterioso e excêntrico Oberon Venn é responsável pelo estranho desaparecimento de seu pai, a quem Venn era amigo. Os dois inclusive trabalhavam em um projeto secreto juntos quando o pai do garoto sumiu.

E morando na estranha residência de Venn, Jake entrará em contato com o estranho espelho negro. Um espelho que ele iria descobrir é capaz de romper as fronteiras do espaço-tempo. Isso depois que uma estranha viajante do tempo consegue fugir das garras do medo e da tirania e chega até Oberon e Jake.

E a partir daí as coisas só se complicam.

O Espelho do Tempo é uma leitura fluída, criativa e empolgante. Ao mesmo tempo seus personagens não são completamente bonzinhos, nenhum deles, pois são movidos pelos seus próprios interesses que, mesmo podendo serem nobres, a maneira como eles agem para obtê-los pode ser controversa. Mas todos eles também possuem bondade em algum grau e carisma, o que nos aproxima deles.

O livro é, portanto, uma leitura mais do que recomendada.

Colunista: Walter Niyama é formado em Jornalismo pela ESPM-SP e já trabalhou no Diário do Centro do Mundo. Atualmente toca o site Converge Jornalismo e possui três romances publicados: O Mistério dos Suicidas; Guardiões de Sonhos – As Portas dos Pesadelos; e Anos Atrás – Uma História de Santiago Valentim.

Siga @Nerdssauros